Aquivo do autor: Coleman Jackson

Trabalhadores Estrangeiros com Visto Agrícola H-2A em Fazendas Americanas Durante a Emergência Nacional do Covid-19

Por Coleman Jackson, advogado e contador público certificado
26 de Maio de 2020

Trabalhadores Estrangeiros com Visto Agrícola H-2A em Fazendas Americanas Durante a Emergência Nacional do Covid-19

A classificação de visto de não-imigrante H-2A já existe há muito tempo. Veja a Lei de Imigração e Nacionalidade (INA) 101 (a) (15) (ii) (a), 8 U.S.C. 1101. O visto de trabalhadores agrícolas estrangeiros H-2A; conhecido como H-2A está mais a vista do público agora, devido ao foco da mídia no aumento de casos de Covid-19 em frigoríficos, em fazendas e na zona rural da América, resultando potencialmente em interrupções na cadeia de fornecimento de alimentos.A preocupação com a interrupção do fornecimento de alimentos pelo coronavírus é muito real e é de grande preocupação para o bem-estar dos agricultores que estão trazendo seus produtos para o mercado e para seus concidadãos a capacidade de alimentar suas famílias. Em poucas palavras, o programa de trabalhadores agrícolas estrangeiros, conhecido como Visto H-2A, permite que os empregadores agrícolas preencham a escassez de força de trabalho disponível, seguindo certos procedimentos para legalmente trazer estrangeiros aos Estados Unidos para realizar temporariamente ou sazonalmente o trabalho agrícola.O Departamento de Segurança Interna (Department of Homeland Security)difere do Departamento do Trabalho dos EUA no que diz respeito à definição de qual trabalho se enquadra nas categorias de trabalho agrícola temporário e sazonal. Historicamente, o Departamento do Trabalho definiu “trabalho agrícola” como deveres como transporte e entrega na fazenda, colheita, cultivo e plantio de sementes.Trabalhadores estrangeiros com vistos H-2A historicamente também trabalhavam como criadores de ovelhas, criadores de cabras, criadores de gado, criadores de aves e em outras ocupações tipicamente nas áreas rurais da América, onde vários tipos de animais são criados para o mercado.O ponto é que os trabalhadores agrícolas não se limitam a realização de tarefas em torno de uma fazenda; trabalhadores estrangeiros com vistos H-2A trabalham em plantações, ranchos, viveiros, frigoríficos, estufas, pomares e como motoristas de caminhão e motoristas de entrega nesses ou em outros locais semelhantes. A Lei de Imigração e Nacionalidade (INA) definiu o termo trabalho agrícola temporário como não mais de 12 meses ou emprego de natureza sazonal vinculado a uma determinada época do ano, evento ou padrão.

 

Trabalhadores Estrangeiros com Visto Agrícola H-2A em Fazendas Americanas Durante a Emergência Nacional do Covid-19

Houve e ainda há um processo passo a passo muito regulamentado que os empregadores agrícolas devem seguir para trazer trabalhadores agrícolas estrangeiros para trabalhar em suas fazendas, ranchos, frigorificos ou locais semelhantes; que começa com uma petição apresentada à comissão estadual da força de trabalho (workforce commission); depois, vão ao DOL para obter a certificação de trabalho de que há falta de trabalhadores domésticos disponíveis para executar o projeto pretendido; uma vez que o empregador recebe a certificação de trabalho DOL, eles registram a solicitação com o Departamento de Segurança Interna (Department of Homeland Security); que após aprovada, o trabalhador estrangeiro poderásolicitar ao Consulado de seu país a obtenção do visto H2-A para vir para a América e trabalhar em um projeto temporário ou sazonal específico por menos de 12 meses. O visto H-2A é válido por 3 anos.

 

Trabalhadores Estrangeiros com Visto Agrícola H-2A em Fazendas Americanas Durante a Emergência Nacional do Covid-19

Este processo foi relaxado e modificado um pouco. O Covid-19 criou a necessidade de impor restrições de viagem, ficar em casa e assim causando tremenda dor de cabeça, perdas e sofrimentos em todo o país. Em resposta a interrupções e incertezas para o suprimento de alimentos nos EUA e ao impacto contínuo da epidemia do Covid-19 na América rural; o Departamento de Segurança Interna (Department of Homeland Security) e os Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA (USCIS) publicaram alterações temporárias nos regulamentos para trabalhadores agrícolas temporários e sazonais e seus empregadores nos EUA na classificação de trabalhadores agrícolas não imigrantes H-2A. Esses regulamentos finais são publicados em 85 FR 21739 e são válidos entre 20 de abril de 2020 a 18 de agosto de 2020. A seguir, estão as principais alterações ao processo normal que historicamente foram usadas pelos agricultores domésticos para trazer trabalhadores estrangeiros não imigrantes para trabalhar temporariamente em suas fazendas, ranchos, frigoríficos e outros locais similares no programa H-2A para Trabalhadores Agrícolas:

  1. Os regulamentos do H-2A foram temporariamente alterados para autorizar que todos os empregadores H-2A permitam que os não-imigrantes que possuam status de visto H-2A válido comecem a trabalhar após o recebimento da nova petição de H-2A pelo empregador, mas não antes da data de início de emprego listado na petição H-2A.
  2. Os regulamentos do H-2A foram temporariamente alterados para permitir que todos os trabalhadores do H-2A trabalhem imediatamente para qualquer novo empregador do H-2A, mas não antes da data de início do emprego listada na petição do H-2A apresentada durante a Emergência Nacional do Covid-19
  3. Os regulamentos do H-2A foram temporariamente alterados para criar uma exceção temporária ao 8 CFR 24.2 e permitir que não-imigrantes estendam seu período de permanência do H-2A além das limitações de três anos, sem exigir primeiro que o imigrante deixe os Estados Unidos e permaneça fora dos Estados Unidos por um período ininterrupto de três meses. É importante que uma petição H-2A de prorrogação de estada com um novo empregador seja apresentada ao USCIS em 1º de março de 2020 ou após esta data e permaneça pendente em 20 de abril de 2020.
  4. Não-imigrantes H-4 que são cônjuges e filhos de portadores do visto de trabalhador agrícola H-2A são beneficiários dessas mesmas alterações mencionadas nos itens um a três acima. A admissão e as limitações de permanência do portador do visto H-4 dependem da validade do status do portador do visto H-2A e devemser aceitas.

Além disso, na prática, certos requisitos de entrevistas pessoais do consulado foram amenizados durante a emergência nacional do Covid-19 para facilitar aos trabalhadores estrangeiros que vão para os Estados Unidos. Os trabalhadores com H-2A se enquadram na categoria ‘trabalhador essencial’ de mão de obra crítica e provavelmente estão isentos de ficar em casa, restrições de viagens e outras medidas impostas pelas agências governamentais locais, estaduais e federais durante a Emergência Nacional de Covid-19.

Trabalhadores Estrangeiros com Visto Agrícola H-2A em Fazendas Americanas Durante a Emergência Nacional do Covid-19

Os trabalhadores agrícolas estrangeiros com visto H-2A estão sujeitos às leis tributárias federais dos Estados Unidos, mas estão isentos da retenção de imposto de renda federal dos EUA, imposta da previdencia social e impostos para o Medicare sobre compensação paga a eles por serviços prestados em conexão com seu status do visto H-2A de trabalhador agrícola. Se eles receberem mais de US $ 600 em compensação, o trabalhador estrangeiro não imigrante deve receber um Formulário W-2 de seu empregador, que isenta a previdência social e os impostos para o Medicare.

Normalmente, o trabalhador declara o Formulário 1040-NR e o empregador deve relatar o salário de seus trabalhadores não imigrantes agrícolas no Formulário 943, declararo imposto federal anual do empregador para empregados agrícolas e registrar todas as outras declarações de imposto apropriadas junto às autoridades tributárias locais, estaduais e federais. A maioria dos prazos modificados paradeclaração, pagamento e relato anunciados pelo Tesouro e Receita Federal dos EUA durante a Emergência Nacional Covid-19 se aplica aos trabalhadores agrícolas H-2A e seus empregadores.

Este blog jurídico é escrito pelo Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração de Coleman Jackson, P.C. para fins educacionais. Não cria nenhum relacionamento entre esse escritório de advocacia e seu leitor. Sempre consulte um advogado de sua região sobre qualquer questão legal que afete você, sua família ou empresa.

Coleman Jackson, P.C. | Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração | Inglês (214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432

Mudanças nos impostos federais devido ao COVID-19

Por: Coleman Jackson, advogado e contador público certificado
20 de Abril, 2020

Como você pode imaginar, as coisas estão mudando e evoluindo rapidamente durante esta pandemia de Covid-19. Mudanças nos Mudanças nos impostos não são exceção! Nosso escritório de advocacia deseja manter nossos clientes e todas as outras pessoas informadas a respeito de certas mudanças fiscais do IRS que possam impactar seus negócios. Tendo isso em mente, observe as mudanças fiscais federais abaixo:

  1. A entrega do imposto de renda foi alterada para 15 de julho de 2020: O tesouro e a Receita Federal Americana estenderam automaticamente de 15 de abril de 2020 para 15 de julho de 2020 a data de vencimento da declaração de imposto de renda federal. O IRS concede aos contribuintes afetados até o último dia do Período de Extensão para registrar declarações de impostos ou efetuar pagamentos de impostos, incluindo os pagamentos estimados de impostos, que têm uma data de vencimento original ou prolongada dentro do Período. O IRS abrirá mão de quaisquer juros e multas por declaração e pagamentos atrasados relacionados a essas declarações fiscais atrasadas.
  1. Empregadores de pequeno e médio porte podem começar a tirar proveito de dois créditos tributários reembolsáveis da folha de pagamento, designados para reembolsá-los imediatamente e totalmente, dólar por dólar, pelo custo de fornecer licença relacionada a Corona vírus para seus funcionários.
  1. A Lei CARES (Coronavirus Aid, Relief and Economic Security).de 2020 promulgada em resposta ao Covid-19, fornece aos empregadores impactados pelo fechamento devido ao Covid-19, um crédito para retenção de funcionários no valor de 50% de seus salários. Além disso, esta Lei que se tornou lei em 27 de março de 2020, estende a data de vencimento para o pagamento de impostos sobre os salários dos empregadores. Os contribuintes devem revisar cuidadosamente a lei e calcular adequadamente o valor dos impostos sobre os salários que podem ser diferidos; porque não é 100% diferido de todos os impostos sobre a folha de pagamento. Nota: A Administração de Pequenas Empresas anunciou que está recebendo aplicações para ajuda a pequenas empresas no que diz respeito a empréstimos de até dois milhões de dólares em fundos para folha de pagamento e aluguel durante esta crise do Covid-19. O Small Business Administration (SBA) anunciou que está recebendo aplicações para ajuda a pequenas empresas no que diz respeito a empréstimos de até dois milhões de dólares em fundos para folha de pagamento e o aluguel durante esta crise do Covid-19. O processo de aplicação com os detalhes sobre a qualificação e procedimentos, podem ser encontrados no site do Small Business Administration. O processo de aplicação e detalhes sobre a qualificação e procedimentos podem ser encontrados no site do Small Business Administration. O SBA anunciou que relaxou alguns de seus requisitos de processamento e documentação para agilizar o processamento desses empréstimos de emergência para as pequenas empresas impactadas pelo Covid-19. Parece que esses empréstimos de emergência do SBA poderiam ser convertidos em doações sob certas condições. O IRS renunciará às taxas usuais e agilizará as solicitações das cópias de declarações de imposto de renda anteriormente enviados para que os contribuintes afetados pelo Covid-19 e que precisem destas copias possam solicitar os benefícios ou enviar as devidas alterações nas declarações alegando perdas por acidentes. Acompanhe nossos blogs, para mais mudanças que poderão ocorrer nesta área de alívio para empregadores devido a parada de trabalho por conta do Covid-19. Mas, por enquanto, esse parece ser o plano atual para os empregadores. 
  1. Contratos de parcelamento existentes – para contribuintes em um Contrato de parcelamento existente, os pagamentos devidos entre 1º de abril e 15 de julho de 2020 estão suspensos. Os contribuintes que atualmente não conseguem cumprir os termos de um Contrato de parcelamento, incluindo o Contrato de parcelamento com deposito direto, podem suspender os pagamentos durante esse período, se assim o desejarem. Além disso, o IRS não padronizara’ nenhum acordo de parcelamento durante esse período. Por lei, os juros continuarão a ser acumulados em quaisquer saldos não pagos “. Fonte: IR-2020-59, 25 de março de 2020.
  1. A Lei CARES elimina a penalidade de 10% sobre retirada antecipada de contas de aposentadoria relacionadas ao Covid-19 e faz outras alterações nas regras relacionadas às contribuições destas contas.
  1. A lei relaxa certas regras corporativas e individuais de contribuições beneficentes e prevê dedução acima da linha de até US$ 300 para contribuições beneficentes.
  1. O Texas foi declarado como Área Presidencial de Desastres relacionada ao Covid-19; portanto, regras e disposições mais específicas podem ser desenvolvidas pelo IRS em relação a indivíduos e empresas com operações comerciais no Texas ou impactados por esta Declaração da Área Presidencial de Desastres.

 

Este blog jurídico é escrito pelo Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração de Coleman Jackson, P.C. para fins educacionais. Não cria nenhum relacionamento entre esse escritório de advocacia e seu leitor. Sempre consulte um advogado de sua região sobre qualquer questão legal que afete você, sua família ou empresa.

Coleman Jackson, P.C. | Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração | Inglês (214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432

 

 

Contribuintes com dívidas fiscais expressivas podem perder seus passaportes nos EUA

Por: Coleman Jackson, Advogado, Contador Público Certificado
27 de fevereiro de 2020

Contribuintes com dívidas fiscais expressivas podem perder seus passaportes nos EUA

Já ouviu falar da Lei Reparando o transporte de superfície da América (FAST) de 2015? Bem, sob o FAST, o IRS tem autoridade para notificar o Departamento de Estado sobre contribuintes notificados ao Governo Federal como devedores. Atualmente, uma dívida tributária expressiva definida como fatura de imposto inadimplente deve ter o valor de US $ 52.000 ou mais. O FAST exige que o Departamento de Estado revogue o passaporte americano do contribuinte inadimplente e limite a capacidade do contribuinte de viajar para fora dos Estados Unidos.

 

Contribuintes com dívidas fiscais expressivas podem perder seus passaportes nos EUA

Os contribuintes que pretendem viajar para fora dos Estados Unidos devem negociar com o IRS a suspenção da notificação fiscal em atraso. Até que isso aconteça, o contribuinte pode ficar preso fora dos EUA com um passaporte revogado ou ser impedido de receber um passaporte pela primeira vez ou em renovação, deixando-os incapazes de viajar para fora do país por quaisquer motivo.

 

Contribuintes com dívidas fiscais expressivas podem perder seus passaportes nos EUA

O IRS identificou várias maneiras pelas quais os contribuintes podem evitar que o IRS notifique o Departamento de Estado de sua dívida tributária com atraso grave, como segue:

  1. Pagamento integral da dívida tributária;
  2. Pagar a dívida tributária em dia de acordo com um acordo aprovado de parcelamento;
  3. Pagar a dívida fiscal em dia de acordo com uma oferta aceita em contrato de compromisso;
  4. Pagamento em dia da dívida fiscal, nos termos de um acordo de liquidação com o Departamento de Justiça;
  5. Ter um processo pendente de cobrança devido a uma apelação do processo com imposição; ou
  6. Suspensão da cobrança porque o contribuinte elegeu o cônjuge ou solicitou assistência para o cônjuge por engano.

Dica prática: Os contribuintes que precisam viajar para o exterior devem responsavelmente lidar com suas obrigações fiscais federais muito antes de precisarem viajar; porque, diferentemente da opção número 1 acima (pagamento integral da dívida tributária), as opções sugeridas levam meses ou até anos para serem resolvidas nas negociações com o IRS.

Os tipos de contribuintes abaixo estão isentos da exigência de notificação de contribuinte inadimplente sob o FAST:

  • Contribuintes em processo de falência;
  • Vítimas de roubo de identidade;
  • Contribuintes que o IRS considerou não cobráveis;
  • Contribuintes localizados dentro de uma área federal declarada de desastre;
  • Contribuintes com solicitação de parcelamento pendente;
  • Contribuintes com oferta pendente em contrato com o IRS; ou
  • Contribuintes com um ajuste aceito pelo IRS que satisfará a dívida integralmente; e
  • Contribuintes servindo em zona de combate não está isento das regras de notificação, mas esta, é adiada enquanto cumprem seu dever na zona de combate.

 

Contribuintes com dívidas fiscais expressivas podem perder seus passaportes nos EUA

Os contribuintes com planos de viajem para o exterior devem estar cientes de que seus planos podem ser totalmente alterados caso devam ao governo federal US $ 52.000 ou mais em impostos atrasados. Os US $ 52.000 podem ser devidos sobre impostos de renda pessoal ou comercial, nos quais o contribuinte individual é considerado parte responsável, como nos impostos sobre a folha de pagamento com relação à penalidade do fundo fiduciário que geralmente se aplica ao contribuinte inadimplente que deve ao negócio, ou mesmo aos funcionários da empresa responsáveis por decidir quais vendedores e fornecedores serão pagos e quando. Além disso, o limite de certificação de US $ 52.000 pode ser atingido por um período fiscal único ou vários períodos fiscais combinados. Exemplo No 1, o contribuinte deve ao IRS US $ 2.000 para 2009, US $ 14.000 para 2015 e US $ 40.000 para 2018. Neste exemplo, o contribuinte está seriamente inadimplente e o IRS, sob FAST, pode declara-lo como seriamente inadimplente ao Departamento de Estado dos EUA. Exemplo nº 2, o contribuinte é dono de uma empresa de fabricação de moinhos de vento com vinte funcionários; seus negócios diminuíram no terceiro trimestre de 2019 e o proprietário decidiu pagar aluguel de escritórios, serviços públicos, funcionários e fornecedores e não os impostos sobre a folha de pagamento do IRS. O IRS fica sabendo dessa decisão e constata que o proprietário como parte responsável, sob a seção tributária pertinentes, acessa uma penalidade de $ 52.000 em fundos fiduciários sobre o proprietário. Nesse caso, o proprietário / contribuinte pode ser declarado pelo IRS como um contribuinte seriamente inadimplente sob o FAST. O passaporte do proprietário pode ser revogado ou sua renovação do passaporte pode ser negada pelo Departamento de Estado dos EUA.

 

Este blog jurídico é escrito pelo Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração de Coleman Jackson, P.C. para fins educacionais. Não cria nenhum relacionamento entre esse escritório de advocacia e seu leitor. Sempre consulte um advogado de sua região sobre qualquer questão legal que afete você, sua família ou empresa.

Coleman Jackson, P.C. | Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração | Inglês (214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432.

Como se livrar de umprocesso de execução fiscal

Coleman Jackson, advogado e contador público certificado
14 de Fevereiro, 2020

Como se livrar de umprocesso de execução fiscal

Quando o Internal Revenue Service (IRS) envia uma cobrança fiscal e você não a paga, um processo de execução fiscal federal é criado por força de lei, independentemente do IRS arquivar o processo de execução nos registros de propriedade pública em seu estado ou não. Um processo de execução fiscal é uma reivindicação executória que se vincula à sua propriedade e ao seu direito de propriedade. Se o IRS registrar a execução fiscal nos registros de propriedade pública, eles deverão, nos termos da lei, informá-lo dessa ação. Isso é feito por um aviso de processo de execução fiscal federal.

 

Como se livrar de umprocesso de execução fiscal

Umprocesso de execução fiscal não autoriza que o IRS tome sua propriedade. Para isso, o IRS deve penhora-la. Uma penhora é um processo legal pelo qual a autoridade tributária pode tomar sua propriedade ou direito à propriedade sem a necessidade de obter uma ordem judicial. Não confundirprocesso de execução fiscal (aviso de dívida fiscal) compenhora (retirada de sua propriedade). Os contribuintes têm o direito de apelar de ambas as ações no Gabinete de Apelações e, possivelmente, ao Tribunal Tributário americano, se a contestação for dentro do prazo. Por enquanto, a pergunta neste blog é como livrar-se de um processo de execução fiscaldo IRS?

 

Como se livrar de umprocesso de execução fiscal

Os contribuintes podem sim se livrarem de um processo de execução fiscal do IRS! Se a dívida fiscal tiver sido paga integralmente, o contribuinte pode se livrar do processo de execução fiscalbuscando uma liberação do processo. Este é normalmente um processo automático; mas se não for, solicite a liberação do processo. Os contribuintes podem solicitar a isenção de certas propriedades do penhor. Isso normalmente é feito para facilitar a venda ou o financiamento de imóveis ou propriedades comerciais com um processo de execução fiscal federal anexado. Os contribuintes podem depositar uma garantia e solicitar que o processo de execução fiscal seja liberado. Os contribuintes podem se livrar de um processo de execução fiscal, apresentando uma contestação no Escritório de Apelações quanto a questões processuais, uma vez que o IRS deve cumprir as regras legais exigentes com relação ao depósito de processos de execução fiscais federais. Refinar um processo de execução fiscaldo IRS, como qualquer outro processo,é uma questão de lei estadual que varia de estado para estado. No Texas, as leis de propriedade variam de município para município. Isso significa simplesmente que o IRS deve cumprir com a lei de cada condado ao registrar ônus nos registros de propriedades do condado. Existem 254 condados no Texas. Além de quaisquer questões processuais, os contribuintes também podem se livrar de um processo de execução fiscal federal contestando-o por razões legais substanciais. Finalmente, os contribuintes podem se livrar de um processo de execução fiscal do IRS se o prazo de dez anos da cobrança expirar, a menos que o prazo tenha sido prorrogado ou suspenso por um processo de falência ou por outros motivos. A liberação doônus fiscal é automática no vencimento do prazo de dez anos da cobrança. Este é apenas um resumo de como se livrar de um processo de execução fiscal, pois na lei, existem varias voltas e reviravoltas dependendo de todos os fatos e circunstâncias.

 

Este blog jurídico é escrito pelo Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração de Coleman Jackson, P.C. para fins educacionais. Não cria nenhum relacionamento entre esse escritório de advocacia e seu leitor. Sempre consulte um advogado de sua região sobre qualquer questão legal que afete você, sua família ou empresa.

Coleman Jackson, P.C. | Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração | Inglês (214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432

O que acontece com o Primeiro Ato do Contribuinte

Coleman Jackson, advogado e contador público certificado
16 de janeiro de 2020

O que acontece com o Primeiro Ato do Contribuinte

Durante o verão passado, o Primeiro Ato do Contribuinte (“TFA”) tornou-se lei tributária nos EUA. O objetivo declarado do Congresso dos EUA de implementar o Primeiro Ato do Contribuinte era de modernizar e melhorar o Código da Receita Federal de 1986. Do ponto de vista geral, três mudanças nas leis tributárias estão entre as mudanças mais significativas feitas pelo primeiro ato do contribuinte:

 

O que acontece com o Primeiro Ato do Contribuinte

  1. O TFA estabeleceu um escritório dentro da Receita Federal americana conhecido como ‘Escritório Independente de Apelações da Receita Federal’, a ser dirigido por um Chefe de Apelações completamente independente e se reportando diretamente ao Comissário da Receita Federal. O Escritório de Apelações foi projetado para dar aos contribuintes um caminho para a resolução de suas disputas com o IRS no processo administrativo, sem a necessidade de litígios tributários dispendiosos. Qualquer contribuinte que receba um aviso de deficiência autorizado pelo Código da Receita Federal seção 6212, poderá solicitar um encaminhamento ao Escritório Independente de Apelações da Receita Federal Americana. Indivíduos e empresas em disputas fiscais com o IRS podem solicitar e obter seus arquivos de casos do IRS antes de aparecerem em uma conferência de apelação em defesa de sua posição. Isso permitiria que os contribuintes se instruíssem sobre a lei aplicável e organizassem os fatos em apoio à sua posição de declaração de imposto. Além disso, os contribuintes terão o direito de que seus processos tributários sejam ouvidos por um tomador de decisão independente e o direito de protestar contra decisões negativas do IRS contra eles, incluindo, entre outros, a rejeição pelo IRS de sua solicitação de ir ao Escritório Independente de Apelações. O contribuinte terá certos direitos de processo devido na condução do Gabinete de Apelações e nos procedimentos de resolução de disputas. Finalmente, o TFA prevê que o processo do Escritório Independente de Apelações do IRS desfrute de maior supervisão do Congresso, uma vez que o Comissário do IRS deve enviar relatórios anuais ao Congresso sob o TFA.

 

O que acontece com o Primeiro Ato do Contribuinte

  1. O TFA modifica o código da Receita Federal Seção 6015 no que diz respeito ao alívio equitativo da responsabilidade conjunta, tal como a responsabilidade conjunta e separada associada aos contribuintes que assinam a declaração de imposto de renda com um cônjuge. O Tribunal Tributário dos EUA agora tem o direito de revisar o registro administrativo estabelecido no momento da determinação do IRS sobre a isenção de cônjuge inocente do contribuinte ou outra reivindicação de alívio equitativa. Sob o TFA, o Tribunal Tributário também pode considerar qualquer evidência adicional recém-descoberta ou anteriormente indisponível. Os casos de alívio equitativo devem ser decididos com base em todos os fatos e circunstâncias. A lei tributária federal que rege a isenção equitativa sempre estabeleceu certas limitações de fato e de tempo que não são removidas ou modificadas pelo TFA. As alterações do TFA que impactam as reivindicações de alívio equitativo aplicam-se a casos pendentes arquivados antes do último verão e a todos os futuros casos de alívio equitativo.

 

O que acontece com o Primeiro Ato do Contribuinte

  1. O TFA modifica o código da Receita Federal Seção 6503 em relação à emissão do IRS de intimação designada. Primeiro, a emissão de tal convocação deve agora ser precedida de uma revisão e aprovação por escrito do Comissário da divisão operacional relevante da Receita Federal Americana e Chefe Jurídico. Além disso, cabe ao IRS estabelecer no processo judicial que pedidos razoáveis sejam feitos para as informações que constituam a base da convocação. Os contribuintes que defendem a convocação em juízo têm o devido direito de apresentar contra-argumentos e provas em contrário.

Essas são apenas três das alterações na lei tributária de acordo com o Primeiro Ato do Contribuinte (“TFA”); existem outras mudanças significativas também. Acompanhe às nossas futuras postagens no blog que falaram da implementação do TFA no IRS; evolução do Escritório Independente de Apelações da Receita Federal sob o TFA; e as interpretações do tribunal federal do TFA.

Este blog jurídico é escrito pelo Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração de Coleman Jackson, P.C. para fins educacionais. Não cria nenhum relacionamento entre esse escritório de advocacia e seu leitor. Sempre consulte um advogado de sua região sobre qualquer questão legal que afete você, sua família ou empresa.

Coleman Jackson, P.C. | Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração | Inglês (214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432.

Tributação federal e cavalos de apartação: não se trata apenas sobre os cavalos

Por Coleman Jackson, advogado e contador público certificado
11 de janeiro de 2020

Tributação federal e cavalos de apartação: não se trata apenas sobre os cavalos

Recentemente, deparei-me com uma decisão do memorando do Tribunal Fiscal dos Estados Unidos datado de 25 de novembro de 2019, envolvendo um agricultor da Dakota do Sul com um negócio de cavalos de apartação e sementes. Os problemas do caso que me impressionaram foram (1) se a atividade de cavalo de apartação do contribuinte era uma atividade “não envolvida em lucro”, no entendimento da Seção 183 do Internal Revenue Code (IRS), e (2) se o contribuinte deve pagar as multas relacionadas de acordo com a Seção 6662 (a) do Internal Revenue Code (IRS). O caso foi de Lowell G. Den Besten, peticionário / comissário da Receita Federal e na posição de réu, T.C. Memorando 2019-154 (25 de novembro de 2019). Observe que as decisões de memorandos fiscais não podem ser usadas como precedente de outros contribuintes. Portanto, o objetivo deste blog é extrair observações gerais do caso Besten porque a tributação federal e a apartação de cavalos não se trata apenas sobre os cavalos.

 

O contribuinte venceu em duas das três questões discutidas no Tribunal Fiscal Americano. O que é significativo para outros individuos e empresas que se encontram emaranhados em uma corrida de cavalos com o IRS não é se eles estão no negócio de cavalos de apartação ou no negócio de sementes. Os pontos significantes deste caso são (1) o IRS possui uma correção presuntiva em todas as questões de deficiência de impostos, e (2) o contribuinte sempre tem a obrigação de provar isso; e, muito provavelmente têm direito às deduções reivindicadas em suas declarações fiscais. Isso significa que o contribuinte deve sempre manter e produzir comprovação credível de todos os ítens registrados em suas declarações fiscais. Assim tem sido a lei tributária operacional que rege os casos de deficiência do IRS desde quando o Supremo Tribunal Americano decidiu esses dois pontos nos processos fiscais federais conhecidos como Welch / Helvering, 290 U.S. 111, 115 (1933) e New Colonial Ice Co., v. Helvering, 292 U.S. 435, 440 (1934). Guy Tressillain Helvering, um democrata do Kansas que era Comissário da Receita Interna do Bureau do IRS entre 1933 a 1943.Esta é a agência legada do Internal Revenue Service (IRS). Hoje, tipicamente casos fiscais são denominados “Contribuinte x Comm’r.” Enfim, fechaduras nas portas são preparatórias. As pessoas fecham as portas para prepararem-se para quando o ladrão vier. Da mesma forma, os contribuintes devem coletar, condensar e manter comprovação de todas as deduções reivindicadas em suas declarações fiscais no caso de visitas do examinador do IRS. No caso Besten de 2019, vemos o Tribunal Fiscal Americano aplicando as regras estabelecidas na década de 1930. Em direito tributario e na lei em geral, a previsibilidade é importante; há pouco benefício na surpresa, na duplicidade e na incerteza da lei. Os contribuintes podem preparar-se e cumprir a lei se conhecerem a lei aplicável porque a lei do imposto federal não se trata apenas sobre dos cavalos.

A Seção 6662 do Internal Revenue Code (IRS) permite que o IRS avalie uma penalidade de precisão de 20% nos impostos deficientes. As multas relacionadas à precisão podem ser impostas pelo IRS quando as deficiências fiscais são devidas a negligência, imprudência ou violações intencionais do contribuinte das leis tributárias federais. No caso de Besten,o contribuinte evitou pagar a multa relacionada à precisão porque conseguiu convencer adequadamente o Tribunal Fiscal Americano de que ele agiu de maneira razoável e de boa fé, contando com o aconselhamento de seu profissional tributário. Geralmente, essa é uma defesa viável para o contribuinte que pode enfrentar o ônus que ele; (a) confiava nos conselhos de seu profissional tributário; (b) seu profissional tributário era competente e experiente; e (c) forneceu ao profissional tributário informações precisas e completas e documentação referente à questão tributária. Portanto, nessa defesa de causa em particular (de confiança nos conselhos e orientações do profissional tributário), como outra defesa razoável de causa que possa ser aplicável, depende de todos os fatos e circunstâncias, porque a tributação federal e cavalos de apartação não são apenas sobre os cavalos. Defesas de causa razoável não são alívio automático; mas, como em cavalos de apartação, toda defesa razoável deve ser explorada quando confrontada com impostos, multas e juros adicionais, porque cortar custos é outra maneira de economizar dinheiro.  

Este blog jurídico é escrito pelo Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração de Coleman Jackson, P.C. para fins educacionais. Não cria nenhum relacionamento entre esse escritório de advocacia e seu leitor. Sempre consulte um advogado de sua região sobre qualquer questão legal que afete você, sua família ou empresa.

Coleman Jackson, P.C. | Escritório de Advocacia em Tributação, Litígio e Imigração | Inglês (214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432

O IRS finalizará o Programa de Divulgação Voluntária no exterior de 2014 em 28 de setembro de 2018

Por:  Coleman Jackson, Advogado, CPA
10 de abril de 2018

O IRS finalizará o Programa de Divulgação Voluntária no exterior de 2014 em 28 de setembro de 2018

Voce ouviu as notícias! Na segunda-feira, 13 de março de 2018, o IRS anunciou que encerrará o Programa de Divulgação Voluntária no exterior em 28 de setembro de 2018.

É provável que já seja tarde demais para todas aquelas pessoas que estão se arriscando e ainda não deram passos para entrar no OVDP. Profissionais de todo o país tem sofrido meses de atraso para conseguir que os contribuintes sejam pré-liberados para o OVDP de 2014. Os pedidos de pré-liberação estão demorando mais de 6 meses nos dias de hoje. Os representantes do IRS afirmaram que a unidade de processamento de pré- liberação do IRS tem longos atrasos na contabilização de pedidos de pré- liberação do OVDP. A unidade tem cerca de 9 a 12 meses de acumulo em pedidos de pré-liberação … assim nos foi dito.

Os contribuintes que não aproveitaram o OVDP de 2014 devem agir rapidamente

Os contribuintes que não aproveitaram o OVDP de 2014 devem agir rapidamente. Repito, é possível que agora seja tarde demais para agir. O U.S. Treasury tem recebido, há cerca de dois anos, direta ou indiretamente, informações de instituições financeiras estrangeiras sobre pessoas nos EUA com contas bancárias no exterior. Eles provavelmente já sabem quais pessoas a possuem. As chances destas pessoas serem detectadas com participações em bancos estrangeiros podem ser extremamente altas. Na verdade, pode ser impossível se esconder da detecção; e, possivelmente aumentar o número de acusações federais aos infratores.

Os infratores das regras da FBAR, ao não relatar a tempo as contas bancárias no exterior, estão sujeitos a processos civis e processos criminais. Contas bancárias estrangeiras são relatadas anualmente em 15 de abril, preenchendo o formulário 114 com a Rede de Crimes Financeiros. FBARs delinquentes colocam os contribuintes em risco legal. Também pode haver questões de imposto de renda federal envolvidas se o contribuinte tiver subestimado sua renda ou declarações de impostos federais não preenchidas. Fraudes fiscais e FBARs delinqüentes são crimes graves que podem resultar em anos de condenação de infratores em presídios federais.

Este blog de advocacia é escrito pelo Tributação | Litígio | Escritorio de Lei de Imigração da Coleman Jackson, P.C. somente para fins educativos; não criando uma relação advogado-cliente entre este escritório de advocacia e seu leitor. Você deve consultar o departamento jurídico em sua área geográfica com relação a quaisquer questões legais que afetem você, sua família ou sua empresa.

Coleman Jackson, P.C. | Tributação | Litígio | Escritorio de Lei de Imigração | Inglês(214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432

IMIGRAÇÃO PARA OS ESTADOS UNIDOS

Por Coleman Jackson, advogado fiscal e de imigração
17 de Novembro de 2015


IMIGRAÇÃO PARA OS ESTADOS UNIDOSA cidadania americana é um sonho de muitos dos que imigram para os Estados Unidos da América. Fornecendo muitos benefícios, como por exemplo direito de voto, elegibilidade para determinadas funções e cargos governamentais e ajuda com alguns problemas de estatuto de residente, entre outros.
 

 

Os Estados Unidos da América aceitam mais imigrantes legais como residentes permanentes que qualquer outro país do mundo; quase 18 milhões de imigrantes entraram nos Estados Unidos de 2000 a 2012, na maioria provenientes de países como Honduras, Índia, Guatemala, Perú, El Salvador, Equador e China. O que não significa que todos os requerimentos de imigração sejam aprovados. A imigração e a cidadania são um processo complexo que precisa de conselhos especializados de um Immigration Lawyer in United States.

  • Quem pode imigrar para os Estados Unidos?
  • Diferentes tipos de vistos de imigração.
  • Etapas envolvidas no processo do visto de imigração.
  • Algumas questões fiscais que você deve considerar.

Quem pode imigrar para os Estados Unidos?

Geralmente um cidadão estrangeiro pode pedir um visto de imigração se for apadrinhado por um parente que viva nos Estados Unidos, que tenha residência permanente ou por um possível empregador, beneficiário de um formulário de requisição de cidadania aprovado pelo Serviço de Cidadania e Imigração dos Estados Unidos (USCIS). Para informação sobre o formulário de requisição visite o  website do USCIS website. Os imigrantes devem contatar um an Immigration Lawyer in United States para ultimar qualquer questão de imigração.

Tipos de vistos de Imigração nos Estados Unidos

Aqui se encontram algumas das categorias principais de Imigração

Família imediata e apadrinhamento familiar

Imigração da família:
Imigração da famíliaNesta categoria de imigração você pode adquirir um estatuto legal de residência permanente, se tiver um parente que seja cidadão americano ou com residência permanente, sendo que o seu parente terá de comprovar que tem dinheiro ou recursos suficientes para o suportar.

 

 

 

 

 

Casamento com um nacional estrangeiro:
Casamento com um nacional estrangeiroSe você for cidadão americano e desejar trazer seu/sua esposo/a estrangeiro para residir nos Estados Unidos, você pode apadrinhá-lo/a como parente próximo. De acordo com a legislação em vigor, isso significa que um visto de imigrante estará imediatamente disponível assim que o requerimento for preenchido, processado e aprovado pelo governo dos Estados Unidos.

Mediante o Trabalho

Vistos de trabalho:
Vistos de trabalhoNo que toca a esta categoria de imigração baseada no trabalho e de acordo com a lei de imigração dos EUA, a cada ano fiscal (1 de outubro a 30  de setembro), são disponibilizados aproximadamente 140.000 vistos de trabalho aos requerentes qualificados. Os empregadores apadrinham trabalhadores qualificados usando os vistos H.

Para obter o estatuto permanente de residência, você deve compreender que ter um empregador apadrinhador é apenas o primeiro passo. O segundo é requerer o ajuste do estatuto.

Vistos de Investidor:

Vistos de InvestidorO visto de imigração para investidores está incluído na categoria de trabalho dos 140.000 por ano fiscal. Os dois vistos de investidor mais importantes são os vistos E e L. Os vistos E e L são conhecidos como vistos duplos. Duplos porque você pode pretender residir temporariamente nos Estados Unidos, isto é, durante o tempo necessário para o investimento, controle ou supervisionamento de um escritório ou fábrica; ou, você pode pretender imigrar permanentemente para os Estados Unidos. O primeiro passo para requerer um visto E ou L é arranjar um apadrinhador. Você pode ajustar o estatuto ou obter a Carta Verde. As regras e procedimentos referentes aos vistos E e L são complicados; consequentemente você deve consultar um advogado de imigração de trabalho experiente.

Processo para o visto de imigração

Processo-para-o-visto-de-imigraçãoDepois do requerimento de imigração ser aprovado pelo USCIS, é enviado para o Centro de Vistos Nacional (NVC), se o beneficiário for estrangeiro ou for incapaz de ajustar o estatuto nos Estados Unidos, o NVC terá um papel importante nos passos seguintes do processo do visto de imigração fornecendo todas as indicações necessárias aos requerentes, apadrinhadores, e requerentes do visto, revendo os depoimentos dos formulários dos apadrinhadores e recebendo taxas, formulários de requisição, outros documentos necessários (isto é, certificados de nascimento, relatórios policiais, certificados de casamento/divórcio, etc.) e exames médicos/informação de cirurgiões civis dos requerentes do visto. Posteriormente, o NVC contata o requerente, uma vez que a  data de prioridade do requerimento esteja a ponto de ocorrer.

Para viver nos EUA permanentemente,  você deverá aprender como ser residente permanente legal, como mencionado previamente, também apelidado de processo de obtenção de Carta Verde. Uma vez que você obtenha uma Carta Verde você pode querer considerar tornar-se cidadão americano.

Implicações fiscais e federais de imigrar para os EUA 

Implicações-fiscais-e-federais-de-imigrar-para-os-EUAAo tomar a decisão de imigrar, você deve saber que os cidadãos dos Estados Unidos e os residentes permanentes legais estão sujeitos a Tributação Federal sobre o seu rendimento mundial, quer vivam ou não nos Estados Unidos. O governo dos Estados Unidos requer ainda que quem vive nos EUA, incluindo cidadãos americanos com Cartas Verdes, divulgue anualmente determinadas accounts and offshore assets.  O não cumprimento poderá conduzir a responsabilidade civil e ação penal sobre assuntos confidenciais. Você deve consultar um advogado fiscal e de imigração experiente para discutir todas as questões fiscais e de imigração.

Siga os nossos blogues sobre a lei de Imigração & lei fiscal

As leis de imigração e leis fiscais dos EUA estão sujeitas a alterações; consequentemente, sugerimos fortemente que você siga o nosso blogue ou visite o website da nossa empresa Immigration & Tax Law Firm em www.cjacksonlaw.com.

Este blogue legal é escrito pela empresa Tax & Immigration Law Firm de Coleman Jackson, P.C. com fins educativos; não produzindo qualquer relacionamento advogado-cliente entre esta empresa e o leitor. Você deve consultar um consultor jurídico para discutir quaisquer questões específicas sobre imigração e fiscalidade que impliquem a sua família ou negócio.

Coleman Jackson, P.C. | Immigration & Tax Law Firm | Inglês (214) 599-0431 | Espanhol (214) 599-0432